capa-atuacao

 “Eu ajudo as pessoas a perceberem que a alimentação saudável pode ser descomplicada e que elas não precisam ter medo ou sentir culpa por comer. Que elas podem sim, desenvolver autonomia e se sentirem emponderadas a fazer as melhores escolhas para si. Trabalho para que possam melhorar a sua relação com a comida e construir uma imagem corporal positiva e confortável. Tudo de forma simples e intuitiva, sem regras rígidas ou proibições”.

CO.M.A.

O CO.M.A. é um programa para os que cansaram de fazer dieta a vida inteira, de viver de privações, de brigar com a balança e que desejam recuperar a sua autonomia e confiança em relação a forma como se alimentam.  Ele foi pensado para emponderar pessoas a confiar mais no seu próprio corpo, regatar sua autoestima, o prazer em comer e o bem-estar geral. 

O CO.M.A. é um programa transformador e profundo composto por 8 encontros semanais com discussões, atividades didáticas e vivências práticas sobre cada assunto proposto. Nele conversaremos sobre:

PARTE 1 – RECONHECIMENTO
Semana 1: Identidade. Para mergulhar fundo nas suas origens, sua história e entender o que faz sentido na sua vida.
Semana 2: Fome e Saciedade. Para reconectar com os seus instintos mais primitivos. 
Semana 3: Comer emocional x Comer intuitivo. Para perceber que os seus sentimentos e a sua intuição podem falar muito sobre a forma como você come. 

PARTE 2 – SENTIMENTO
Semana 4: Atenção plena. Para ouvir e entender o que o seu corpo diz. 
Semana 5: O corpo é meu. Para  você adquirir confiança e a liberdade de ter o corpo que você quiser ter. 

PARTE 3 – PLENITUDE
Semana 6: De bem com a minha comida. Para descomplicar e tornar a alimentação mais fácil.
Semana 7: Honrar a minha saúde. Para conquistar mais vitalidade e celebrar o seu corpo.
Semana 8: Manutenção para a vida. Para celebrar tudo que você já conquistou e levar tudo que aprendeu adiante. 

Ficou em dúvida se o CO.M.A. é para você? Me manda um e-mail, conversamos e eu te ajudo a descobrir.

Aconselhamento Nutricional

Todo o atendimento tem o objetivo de estimular a identificação de padrões de comportamentos possam estar te impedindo de ter a saúde que você deseja. Acredito fortemente que as crenças que temos sobre comida e a forma que nos alimentamos são mais importantes do que O QUE comemos, por isso o foco do atendimento não está na exclusivamente a prescrição de dietas, e sim no aconselhamento nutricional.  A dietoterapia (prescrição de dieta) é direcionada para pessoas que possuam alguma condição de saúde que exijam mudanças alimentares urgentes, onde a alimentação se torna parte fundamental do tratamento ou recuperação.

O atendimento inicia com uma entrevista completa para conhecer o histórico de saúde e nutricional e investigar possíveis sinais e sintomas relacionados à deficiência de nutrientes, alergias ou intolerâncias alimentares. Em seguida é feita a avaliação física completa com bioimpedância para identificar o estado nutricional do cliente e estipular suas metas de tratamento. A partir destas informações é possível identificar hábitos alimentares inadequados e planejar as condutas nutricionais.  A primeira consulta tem duração entre 1h – 1h30.

Sugiro levar para a primeira consulta: os últimos exames (mesmo que mais antigos), roupa leve (camiseta/top,bermuda, shorts), nome e dosagem dos suplementos e medicamentos caso em uso.

Após esta primeira consulta, o retorno acontecerá em um prazo máximo de 30 dias. Neste momento o atendimento visa sanar dúvidas, avaliar resultados de exames e fazer nova avaliação física. O retorno é uma cortesia concedida apenas na primeira consulta.

 

POR QUE EU SOU A NUTRICIONISTA CERTA PARA TE AJUDAR (OU NÃO)

Posso te ajudar a entender o que é alimentação saudável de verdade, sem modismos, sem terrorismo, sem firula ou mimimi.

Como pessoa altamente visual e criativa, durante muito tempo eu me questionei de que forma traduzir tantas tabelas, teorias e guias nutricionais em algo palpável e fácil de ser praticado por cada ser humaninho que existe aí. Nunca me conformei que uma pessoa precisasse anotar calorias, pontos, pesar a comida, ficar presa a um papel ou fazer cálculos para saber o que comer. Tudo certo com os profissionais que trabalham assim ou as pessoas que se adaptam a esta forma de trabalho, mas isso não era para mim. Não era esta mensagem que eu queria passar, não era nisso que eu acreditava.

Sim, porque quem tem que entender de valores nutricionais são os profissionais, afinal as pessoas não comem números, elas comem comida, não é mesmo? Dei um tempo nos estudos, fui aliviar a cabeça e comecei a me observar e a buscar à minha volta exemplos de pessoas que eu achava que tinham uma alimentação legal e um estilo de vida coerente com o que eu acreditava ser positivo. E foi aí que eu percebi que a minha amiguinha interior inseparável (a tão amada intuição) sempre esteve certa, obviamente! Percebi que estas pessoas não seguiam nenhuma tabela e mesmo assim conseguiam se manter saudáveis, ativas e com vitalidade. Aí voltei aos livros e fui buscar referências, autores e teorias que confirmassem o que eu acreditava e o que eu estava vendo, e não é que eu achei a minha turma?! Foi daí que eu criei confiança para desenvolver um método que eu acredito e que resgata a sua autonomia e liberdade.

Identificar que alimentos podem te beneficiar e quais podem te detonar.

Posso afirmar, com toda certeza, que em algum momento da vida numa revista com dieta milagrosa ou no programa de TV que fala de saúde pela manhã você deve ter se deparado com aquelas simpáticas colunas do “Prefira isso… / Evite aquilo…” ou “Permitido/ Proibido” da nutrição. Claro, em cores verdes e vermelhas para deixar bem claro! Pois é, apesar de ter aprendido muita coisa assim e de ter praticado durante um bom tempo meu trabalho desta forma, não nego, (leva tempo pra gente se reinventar, não é mesmo?) percebi que existem outras formas de se fazer isso, modéstia a parte: bem mais legais e autênticas!  Algum sábio poeta da modernidade disse uma vez: “Tudo que é proibido é mais gostoso”. Esse cara sabia das coisas! Diga a uma criança que ela está PROIBIDA de comer doce no colégio e espere para ver ela mergulhar de cabeça no pacote de bala. Como boa questionadora que sou, acredito que não existe o PROIBIDO, quem dá este rótulo à comida somos nós. O pulo do gato (pelo menos do meu gato) está em ter clareza de quais alimentos e hábitos de vida sugam a sua energia e roubam sua vitalidade e quais podem fazer com que você tenha energia, disposição e vitalidade. Feito isso, o próximo passo é criar consciência e estratégias de como encaixar tudo isso na sua rotina (fica tranquilo (a) te ajudo nisso tudo!).

Vamos discutir o que é peso saudável de verdade para você.

Mas para saber meu peso ideal não é só seguir uma tabelinha do IMC ou algo parecido?

Sim, existem as referências e tabelas e elas são importantes pois elas nos guiam para traduzir o que os números da balança e as medidas nos dizem, mas, calma, elas são GUIAS e indicam UMA direção, mas não existe uma única direção e sim muitos caminhos e formas de enxergar um peso saudável e SUSTENTÁVEL. O bem-estar pessoal, o quanto você gosta do que enxerga no espelho, e qual o seu nível de energia e vitalidade são indicadores muito mais genuínos e poderosos.

Eu sou igualzinha a você

Antes de vestir a capinha (ou o jaleco) de nutricionista, eu sou uma pessoa igualzinha a você e também já passei por muitas fases na minha alimentação. Cresci comendo mingau de Farinha Láctea, devorei caixas de bombom quando era criança (sou a doida que catava todos os bombons Caribe da Garoto :) ), comi muito salgadinho Biluzitos e bebi litros de Laranjinha (catarinenses vão me entender) na hora do recreio. Já tive momentos de compulsão e culpa na época da faculdade. Pode ter certeza, eu já vivi isso. No meio disso também tinha muita comida saudável, tudo junto e misturado.  E, aos poucos, a alimentação lá em casa começou a melhorar, foi entrando o pão integral, saindo o suco de caixinha, começamos a comer arroz integral e diminuir as carnes vermelhas. Na época da faculdade, eu estudava e tentava aplicar alguma coisa em casa e a cada dia, assim de pouquinho em pouquinho. Mas foi um processo, com erros e acertos que continua até hoje. Ainda não é perfeito, nem sei se um dia será. Mas sei que hoje está melhor do que há alguns anos. E tá tudo bem assim. Não existe mais culpa, medo de ser julgada ou aquela cobrança pra correr sempre atrás da perfeição. Sigo tentando melhorar, mas dentro dos meus limites, dentro do que eu acredito que vai me fazer bem e trazer felicidade. Entendi o que é bom pra mim e o que não é, até onde eu posso ir e o que devo evitar. Aprendi a me conhecer e a me respeitar e é nisso que eu posso te ajudar também.

No que eu NÃO posso te ajudar:

A gente tem que entender que não vai agradar a todos e que pra todo mundo existe a sua turma, a sua galera (aquela que fecha contigo), conecta com a sua proposta de trabalho e compartilha dos mesmos objetivos.

Pode ser que você queira alguém que te diga que você vai sentar no consultório, vai ganhar um papel com uma tabelinha e que “basta seguir” e em 1 mês estará tudo resolvido. Se estas são as suas expectativas, já antecipo: eu não sou a nutricionista mais indicada.

Ou se você espera alguém que vá ditar o que pode e principalmente o que você está PROIBIDO de fazer, que vai pedir para você fazer cálculos e depois pesar a sua marmita todos os dias e pensar 24 horas em comida…esta, de verdade, não sou eu.

Se você procura alguém que trabalha no estilo “no pain, no gain” ou no mantra do #foco, #força e #fé e que vai te estimular a malhar incansavelmente faça sol ou tempestade, sinto muito…vou ficar te devendo.

Não tem nada de errado em querer isso e tenho certeza que tem muitos profissionais aí que podem te ajudar nisso e eu desejo de coração que você encontre a sua turma.

As minhas bandeiras são respeito, autonomia, conexão e consciência.  Queremos vitalidade, saúde e energia sem abrir mão do prazer e da comida gostosa sendo compartilhada. É nisso que eu confio. Se você também acredita nesta forma de viver e compartilha dos mesmos ideais, vem comigo! Podemos fazer um trabalho lindo e cheio de significado juntos!

© 2015 Julia Albuquerque